Sustentabilidade

Plantas da Caatinga são as novas armas da ciência contra Aedes e micro-organismos resistentes

Por Redação VitóriaNews
Nativa da Caatinga, o extrato da maçaranduba se mostrou eficaz no tratamento da triconomose. Crédito: Insa
Nativa da Caatinga, o extrato da maçaranduba se mostrou eficaz no tratamento da triconomose. Crédito: Insa
Instituto Nacional do Semiárido participa de rede de pesquisa que estuda os potenciais das espécies nativas da Caatinga. Enquanto a umburana de cambão possui propriedades inseticidas e pode ser usada no combate ao Aedes aegypti, a maçaranduba e a vick apresentaram grande eficácia contra a triconomose. Já o pequi é rico em proteínas, fibras, vitaminas A e C, minerais e compostos fenólicos e carotenoides totais, que estão associados à prevenção de processos oxidativos.

O potencial das plantas na prevenção e na cura de doenças motivou a formação de uma rede de pesquisa sobre as propriedades medicinais, terapêuticas e aromáticas das espécies da Caatinga, bioma exclusivamente brasileiro. Com um rico patrimônio biológico, a Caatinga abriga animais e plantas adaptados à escassez de água. Jatobá (Hymenaea courbaril), pau-ferro ou jucá (Libidibia ferrea), pequi (Caryocar coriaceum), macaúba, ameixa do mato (Ximenia americana), umburana de cambão (Commiphora leptophloeos) são espécies com potencial antioxidante, inseticida, fungicida e bactericida.

Desde 2010, pesquisadores do Núcleo de Bioprospecção da Caatinga do Instituto Nacional do Semiárido (Insa), da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) se uniram no esforço de estudar as plantas da Caatinga. Uma delas, a umburana cambão, se revelou uma importante arma contra o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, vírus zika e febre chikungunya.

Segundo o pesquisador Alexandre Gomes, do Insa, os experimentos mostraram que a solução do óleo da umburana cambão tem uma eficiência de 50% a partir de 90 partes por milhão, o que significa que apenas uma gota é suficiente para proteger uma caixa d'água do Aedes. O cheiro característico da folha da árvore foi a pista para investigar as possíveis propriedades inseticidas da planta.

"Já sabemos que alguns compostos de plantas têm atividade inseticida. Esses compostos são chamados terpenoides e podem ser aromáticos voláteis. Um exemplo deles está na folha da pitanga, que, quando se amassa, tem um cheiro típico", explica Gomes.

Apesar do resultado satisfatório da umburana contra o mosquito da dengue, é fundamental não descuidar das recomendações para combater o Aedes aegypti como eliminar criadouros, esvaziando e lavando todos os recipientes que acumulem água; limpar as calhas das casas; e preencher pratos de vasos de plantas com areia. Nem mesmo água sanitária é garantia de que o mosquito não se desenvolverá.

Antioxidantes naturais

Outras plantas têm o poder de neutralizar os oxidantes no organismo humano, como o cambuí, a macaúba e o pequi. Nativo do Cerrado e também encontrado na Caatinga, o pequi (Caryocar coriaceum.) é rico em proteínas, fibras, vitaminas A e C, minerais e compostos fenólicos e carotenoides totais, que estão associados à prevenção de processos oxidativos. Por isso, o óleo de pequi, extraído da sua polpa ou amêndoa, é aplicado em cosméticos, como cremes anti-idade. Além disso, foram verificados os benefícios do pequi para a ação anti-inflamatória, proteção cardiovascular, prevenção de aterosclerose e redução da pressão arterial.

Os pesquisadores também observaram propriedades antioxidantes no cambuí (Myrciaria tenella) e no fruto da macaúba (Acrocomia aculeata), palmeira nativa encontrada em extensa área do Brasil, usada na produção de biocombustível.

DST

Os cientistas ainda descobriram nas plantas da Caatinga potencial para o desenvolvimento de novos antibióticos para tratar micro-organismos mais resistentes. Os medicamentos usados contra a triconomose, doença sexualmente transmissível com 276 milhões de novos casos por ano, segundo a Organização Mundial da Saúde, estão perdendo a eficácia diante da resistência do protozoário Trichomonas vaginalis. Uma solução, investigada por pesquisadores da UFRGS, é o extrato da espécie Polygala decumbens, popularmente conhecida como vick, que foi capaz de controlar a infecção causada pelo protozoário.

Substâncias encontradas no extrato da folha da maçaranduba (Manilkara rufula) também se mostraram eficazes contra a triconomose. O trabalho investigou a atividade do extrato acetônico da folha da planta (produzido a partir do pó da folha mergulhado na acetona, um solvente orgânico) e de sete frações produzidas a partir deste extrato. O estudo comprovou que concentrações de 10mg/mL do extrato e as frações foram capazes de matar os protozoários. 

Fonte: MCTIC

Notícias Relacionadas