Trabalhadores contribuindo à Previdência caem ao menor nível desde 2012, diz IBGE - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Economia
Trabalhadores contribuindo à Previdência caem ao menor nível desde 2012, diz IBGE
Publicado por Estadão Conteúdo

A pandemia do novo coronavírus prejudicou o emprego formal, com reflexos para a contribuição para a Previdência Social no País. O total de pessoas contribuindo para a Previdência desceu a 53,342 milhões no trimestre encerrado em agosto, o menor patamar da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), iniciada em 2012 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em apenas um trimestre, 3,014 milhões de pessoas deixaram de contribuir para a Previdência Social no País. Se considerados os últimos dois trimestres, ou seja, o patamar de fevereiro deste ano, no pré-pandemia, há 5,630 milhões de contribuintes a menos.

A população ocupada desceu a 81,666 milhões de pessoas no trimestre terminado em agosto, menor patamar da série iniciada em 2012. Apenas 29,067 milhões de trabalhadores atuavam com carteira assinada no setor privado, também piso histórico.

"A perda na ocupação é realmente muito expressiva, ela marca a série histórica da pesquisa", reconheceu Adriana Beringuy, analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE. "A gente está vendo uma população ocupada diminuindo, e isso aí está ligado com o processo de dispensa. Todas as atividades, com exceção da agricultura, estão em processo de dispensa", completou.

Segundo Adriana, as demissões podem ter relação com a demanda reduzida das famílias por produtos e serviços, o que resulta em demanda menor também por mão de obra nas atividades econômicas.

A taxa de desemprego aumentou de 12,9% no trimestre encerrado em maio para 14,4% no trimestre terminado em agosto, mas teria subido ainda mais caso a população inativa, também recorde, decidisse procurar trabalho.

"Pode estar havendo um desestímulo por essa procura por trabalho já pelos efeitos econômicos da pandemia, e não pela ameaça de contágio", apontou Adriana.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.