Fendt: Queremos submeter acordo Mercosul/UE a parlamentos no 1º semestre de 2021 - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Geral
Fendt: Queremos submeter acordo Mercosul/UE a parlamentos no 1º semestre de 2021
Publicado por Estadão Conteúdo

O secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Roberto Fendt, disse nesta terça-feira, 29, acreditar que o componente comercial do acordo entre o Mercosul e a União Europeia pode ser votado pelos parlamentos de todos os países envolvidos já no primeiro semestre de 2021.

"Estou muito confiante que parte comercial de acordo Mercosul-EU será rapidamente ratificada. Queremos submeter o componente comercial aos parlamentos daqui e de lá no primeiro semestre de 2021. Se acordo não fosse benéfico para os europeus, ele não teriam assinado", afirmou, na videoconferência "Os Grandes Desafios do Comércio Exterior Brasileiro", organizada pelo Instituto Besc de Humanidades e Economia.

Já os componentes ambientais do acordo entre os dois blocos econômicos, admitiu o secretário, podem ter mais resistências. "Cuidar do meio ambiente é uma questão do nosso interesse. Se tirar a floresta amazônica, muda-se regime de chuvas em todo o País e isso não nos interessa. Mas também não podemos levar lição de moral de países que destruíram suas florestas e mataram índios. Sabemos que interesses protecionistas em todo o mundo usam meio ambiente contra acordos (comerciais)", completou.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.